quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

Final - Grêmio 0 x 0 Flamengo

 


Flamengo consegue empate no Olímpico
Equipe carioca obtém igualdade sem gols diante do
Grêmio no primeiro jogo da decisão da Copa do Brasil

Grêmio e Flamengo empataram em 0 a 0, ontem à noite, no estádio Olímpico, no primeiro jogo da final da Copa do Brasil. A segunda partida é amanhã, no Maracanã.
O jogo foi marcado pela confusa arbitragem de Francisco Dacildo Mourão, xingado pelos torcedores e criticado pelos jogadores.
O jogo, porém, tampouco empolgou. Os erros e a falta de efetividade do ataque gaúcho se somaram à excessiva segurança da equipe carioca, que se esmerou mais na marcação do que em fazer gols.
O Grêmio começou assustando. Com apenas um minuto de jogo, Carlos Miguel cobrou falta na extrema esquerda do ataque, e a bola, após atravessar toda a área, bateu na trave de Zé Carlos.
Apesar de pressionado, o Flamengo mantinha a calma no meio-campo e, aos 20min, já conseguia dominar o setor.
As jogadas de ataque do Grêmio, porém, eram mais efetivas, como aos 24min, quando Zé Carlos tocou para escanteio chute de Arce.
Aos 31min, Evaristo de Macedo foi obrigado a colocar Rodrigo Gral no lugar de Dauri, sentindo a região do púbis. Mas, em seguida, a equipe se desestruturou com a expulsão de Dinho, que fez falta violenta em Sávio.
Sob os gritos de ''vendido'', Mourão perdeu o controle da partida. Distribui mais três cartões amarelos sem nenhum critério.
Nervosa, a equipe gremista deu espaço ao adversário e, aos 45min, Júnior Baiano teve a melhor chance do Flamengo. Cabeceou para boa defesa de Danrlei.
Na segunda etapa, logo aos 3min, Paulo Nunes chutou de fora da área. Júnior Baiano furou, e Rodrigo Gral desperdiçou.
O Flamengo reagiu dois minutos mais tarde. Romário fez bom lançamento para Nélio. Danrlei salvou a equipe mais uma vez.
Aos 12min, Romário repetiu a assistência, desta vez para Evandro, que tocou para fora.
O Flamengo vinha melhor e, aos 19min, Romário ficou sozinho na área. Danrlei barrou a jogada, mas o árbitro já anotava impedimento.
Para o segundo jogo, o desfalque no Flamengo será Júnior Baiano, que recebeu seu terceiro amarelo (Folha de São Paulo, 21 de maio de 1997)

Gaúchos ainda culpam árbitro
Dirigentes, jogadores e comissão técnica do Grêmio se disseram inconformados com a atuação do juiz Dacildo Mourão, que, segundo eles, interferiu diretamente no empate do primeiro jogo da decisão, anteontem, em Porto Alegre.
As reclamações do Grêmio se referiram principalmente à expulsão de Dinho e à tolerância do juiz em relação aos jogadores do Flamengo. ''Foram dois pesos e duas medidas'', disse o p
residente do Grêmio, Luís Carlos Silveira Martins.
Os protestos gremistas encontraram ressonância nas declarações do diretor-técnico da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), Gilberto Coelho, e do ex-juiz Renato Marsiglia, integrante da comissão que auxilia na coordenação da arbitragem brasileira.

''A atuação da arbitragem foi ruim. A expulsão do Dinho foi rigorosa, e o Dacildo cometeu vários equívocos'', disse Coelho.
''Eu simplesmente cumpri a regra do jogo'', afirmou Mourão. O juiz se referiu à regra que determina a expulsão do jogador que realizar jogada violenta.
O técnico do Grêmio, Evaristo de Macedo, disse que Mourão fo
i ''covarde'' ao não expulsar Júnior Baiano (que fez falta violenta em Paulo Nunes e recebeu cartão amarelo) e que a sua atuação foi um ''desrespeito'' ao Grêmio.
O Flamengo respondeu às acusações gremistas dizendo que a equipe gaúcha é violenta. ''O Grêmio tem um excelente time, por isso não precisa bater tanto'', disse o técnico Sebastião Rocha. (Folha de São Paulo, 22 de maio de 1997)



FRASES
''O Dinho tinha mesmo que ser expulso.''
Kleber Leite, presidente do Flamengo, sobre a expulsão do gremista, anteontem

''Foi um desastre. A expulsão do Dinho não obedeceu a nenhu
m critério.''
Renato Marsiglia, do comitê de reestruturação da comissão de arbitragem da CBF



Grêmio 0 x 0 Flamengo


GRÊMIO: Danrlei; Arce, Rivarola, Mauro Galvão e Roger; Dinho, Emerson (Marco Antonio 01/2), João Antônio e Carlos Miguel, Dauri (Rodrigo Gral 33/1) e Paulo Nunes.
Técnico: Evaristo de Macedo

FLAMENGO: Zé Carlos; Fábio Baiano, Júnior Baiano, Fabiano e Athirson; Jamir, Maurinho (Leandro 01/2), Nélio e Evandro; Sávio (Lúcio 02/2), Romário.
Técnico: Sebastião Rocha

Copa do Brasil 1997 – Final – Jogo de ida
Data: 20/5/1997 21:40, terça-feira
Estádio:Olímpico,Porto Alegre-RS
Público: 44,951
Renda: R$ 468,847.00
Juiz: Francisco Dacildo Mourão Albuquerque
Cartões Amarelos: Fábio Baiano, Júnior Baiano, Athirson, Jamir

2 comentários:

Silvana disse...

Eu estava lá!!!

Anônimo disse...

Ainda nos obrigaram a jogar a segunda partida 48h depois da primeira. E mesmo assim fizemos o "Maracanazo" em cima do time queridinho da CBF.